quarta-feira, julho 27, 2005

porto?



tempo desperdiçado? não. não muito. talvez numa certa juventude inconsequente e só talvez.

olha-se ao espelho. não tem quase rugas nem isso importaria. duas mais fundas na testa as de pensar e nos cantos dos lábios de sorrir.
- nada mau para quem não se estica nem pôe cremes...

o espelho que lhe era vício na infância ( ou companheiro a reflectir amigos invisíveis) esteve abandonado demasiado tempo.

- nem a mim queria olhar ou sobretudo a mim?

nem uma ou outra coisa. ao ver-se veria no olhar o baço de reflexo de sol em águas turvas. luz que só refracta, não penetra a profundidade a que é suposto levar vida. não tinha vida a dar.

- e tenho agora?

detém-se no pescoço. sorri.

- este já me trai. trai toda a gente.

escova os cabelos.

- tanto tempo! "tanto mar!"

navegou vida fora. velas soltas. quando o vento não vinha, era motor. do cansaço fez força. da dor tirou sorrisos. e agora?

- agora, visto-me e vou sair.


10 palpites:

Blogger paper life piou...

teste.

27/7/05 3:26 da tarde  
Blogger wind piou...

Bela prosa poética:) beijos

27/7/05 3:38 da tarde  
Blogger paperl life piou...

Olá Wind.
(afinal funcionam os documentários! uff! ainda não deixam é apagar...)

Bjs. :)

27/7/05 4:11 da tarde  
Blogger adesenhar piou...

:)
para teste é muito bom :)
faz mais como este :)
se te referes ao post claro...

ou um teste ao teu blog !

:))))

27/7/05 6:48 da tarde  
Blogger paper life piou...

adesenhar, é teste aos comentários que deram em não funcionar esta tarde :)

Bj

ps: este blog tb é meu como o estrada irreal ;)

27/7/05 7:00 da tarde  
Blogger paper life piou...

ah e como podes ver não dá para apagar aquela palavra.

Obrigada pelo comentário :)

27/7/05 7:01 da tarde  
Blogger batista filho piou...

E te vi chegar ao porto... Na peleja entre as mãos, as tuas, a tentar arrumar os cabelos, e a escovadela dele, o vento, apostei no vento!... Não posso precisar o que: se o andar sem pressa, a saborear a maresia ou o vento agora brisa, a inventar-te penteados, os mais loucos!... terias, com ele, o vento, feito um pacto?! E abriste os braços, “velas soltas”...

28/7/05 12:59 da manhã  
Blogger batista filho piou...

... e ao largo te fizeste. “Tanto mar!” Amiga do vento... Grãos de areia me irritaram os olhos. Foi o tempo de piscar e lá estavas, de volta ao porto, carregadinha de sorrisos!

28/7/05 1:09 da manhã  
Blogger batista filho piou...

E não é que ontem, fruto do cansaço... ou simples mancada!, embaralhei as idéias, tropecei nas palavras, picotei o comentário!!!
Bem, há jeito pra tudo, ou quase, não é? Segue o comentário que realmente deveria ter ido, na maré primeira (na impossibilidade dessa, aproveito um pelicano, que me disse que iria conhecer o teu abrigo Escarpado, pra levar o meu recado). Sem quase mais nada a dizer, podes suprimir os dois anteriores que postei... ou deixa-os aí mesmo: pra que eu tenha mais cuidado da próxima vez... Vamos a ver?
:)
E te vi chegar ao porto.
Na peleja entre as mãos, as tuas, a tentar arrumar os cabelos, e a escovadela dele, o vento, apostei no vento!
Não posso precisar o que: se o andar sem pressa, a saborear a maresia ou o vento, agora brisa a inventar-te penteados, os mais loucos!... mas, pareceu-me, por um momento, que te segredava alguma coisa... terias, com ele, o vento, feito algum pacto?! E abriste os braços, “velas soltas”... e ao largo te fizeste! “Tanto mar!”, amiga do vento... (Grãos de areia me irritaram os olhos.) Foi o tempo de piscar e lá estavas, de volta ao porto, carregadinha de sorrisos!

28/7/05 12:29 da tarde  
Blogger paperl life piou...

Cuidadoso e sempre preocupado Batista, Amigo!
Belo comentário, bem melho que o texto.

:)

Não posso apagar . Por qualquer razão nester blog há problemas com isso. mas não importa.

Abraço.

Fica bem!

28/7/05 12:44 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home